Linha do Minho: Guimarães em 2 dias

Quando parti pela Linha do Norte em direção ao Porto – Campanhã o relógio marcava 9h51. Objetivo? Passar uma semana sozinha a percorrer algumas das cidades da região do Minho. Guimarães, Braga e Viana do Castelo, os destinos; o comboio e a Linha do Minho, os guias desta viagem.

 

A ligação entre Porto e Guimarães é feita num comboio urbano que chega ao destino em cerca de uma hora. À chegada reconheci de imediato as linhas desta cidade à qual decidi voltar depois de já a ter visitado algumas vezes. Pertencente ao distrito de Braga e Património Mundial da UNESCO desde 2001, Guimarães é das cidades portuguesas de que mais gosto. Não me canso de percorrer as ruas de casario em traça antiga, de visitar os monumentos ou de simplesmente permanecer sentada numa das esplanadas nas suas bonitas praças ou largos.

Conhecida como berço de Portugal por estar intimamente ligada à constituição da identidade do país, esta cidade minhota tem um sem número de locais que não podem deixar de ser visitados e os quais voltei a percorrer nestes cerca de 2 dias em que nela pernoitei.

 

Dia 1
Porto – Guimarães

A manhã deste primeiro dia é gasta em viagens de comboio até chegar a Guimarães por volta das 14 horas, mesmo a tempo de fazer o check-in no Hotel Fundador. Bem perto da estação ferroviária – o que, deixem-me dizer, me conveio especialmente! – este hotel tem um staff bastante simpático e acessível, quartos bastante confortáveis e um pequeno-almoço apetecível! Além de tudo isto, é bem possível que consigam um quarto com uma vista fantástica sobre o centro da cidade! :D.

 

No entanto, e uma vez no verão, ainda me resta muito tempo para poder revisitar alguns dos locais mais reconhecidos da cidade.

 

Castelo de Guimarães

A origem deste castelo data do século X, mas recebe reformas nos séculos XI, XIII e XV, até ser deixado ao abandono e voltar a ser recuperado apenas no século XX. É um castelo intimamente ligado à fundação de Portugal e onde poderá ter nascido D. Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal!

 

Capela de S. Miguel

A poucos passos do Castelo de Guimarães encontra-se a pequena Capela de S. Miguel onde consta ter sido baptizado D. Afonso Henriques.

 

Paço dos Duques de Bragança

Ainda no mesmo jardim onde encontramos o Castelo de Guimarães e a Capela de S. Miguel, encontramos o Paço dos Duques de Bragança. Foi esta casa senhorial do século XV que me fez apaixonar por Guimarães quando era miúda; entrar aqui, foi como entrar num conto de fadas!

 

Passeio pelo centro histórico

Depois da visita ao local onde se respira história a cada passo, há ainda tempo para passear pelo centro por entre o casario, as praças e os largos históricos. Um desses largos é bem conhecido de todos pelos inúmeros spots publicitários que aí são rodados: o Largo da Oliveira, onde encontramos o Padrão do Salado!

 

No caminho para o hotel passei pela Sala 141 e aproveitei para entrar e jantar! Este simpático restaurante de tapas é um espaço pequeno, com música ao vivo e ideal para se estar com amigos. Além disso, as minhas salada e sobremesa estavam óptimas! 🙂

 

Dia 2
Guimarães

No segundo dia a manhã começa cedo. O objetivo é revisitar mais alguns locais do centro histórico para, da parte da tarde, partir de teleférico até ao Monte de Santa Catarina.

 

Museu Alberto Sampaio

O Museu Alberto Sampaio situa-se no centro histórico, junto ao Largo da Oliveira, e ocupa aquele que em tempos foi um Mosteiro. No seu interior podem admirar peças escultóricas medievais e renascentistas, arte sacra ou uma coleção de ourivesaria.

 

Igreja da Nossa Senhora da Oliveira

A Igreja da Nossa Senhora da Oliveira situa-se, também ela, no Largo da Oliveira, paredes meias com o Museu Alberto Sampaio, e a sua fundação data de cerca de 950.

 

Já batiam as 12 horas e, antes de seguir para a viagem de teleférico até ao Monte de Santa Catarina, aproveitei para almoçar pelo Largo da Oliveira. Optei pelo A Medieval, um dos vários restaurantes que ali podem encontrar e que me pareceu ser o que apresentava melhor relação qualidade-preço. O ambiente no interior é bastante agradável, com funcionários bastante simpáticos e têm uma salada César de comer o chorar por mais (além de poderem ficar na esplanada em pleno largo)! 😀

 

Monte de Santa Catarina / Santuário da Penha

Entre o centro de Guimarães e o Monte de Santa Catarina, onde se situa o Santuário da Penha, há uma viagem de 1700 m de teleférico que os separam! Chegada lá acima, o ambiente fresco e o ar puro convidam a explorar lentamente a mata por entre os rochedos com passagens e escadarias apertadas e que guardam surpresas em cada buraco, literalmente! Além disso, a vista oferecida pelos miradouros Pio IX e pelo Santuário da Penha são algo que não nos cansamos de ver.

 

Depois de voltar de teleférico até ao centro de Guimarães ainda houve tempo para provar um pastel tradicional à base de massa folhada e doce de ovos e que encontram facilmente em várias pastelarias da cidade. Chama-se Castelo e é i-rre-sis-tí-vel!! 🤤

 

Dia 3
Guimarães – Braga

O terceiro dia em Guimarães baseia-se a uma manhã de arrumação de mala e nova viagem de comboio, porque a travessia que me levou até esta cidade não ficava por aqui e seguia-se Braga!

 


Quanto?

Viagem de Comboio Urbano Porto – Guimarães: 3,25€

Viagem de Teleférico (ida e volta): 7,50€

Castelo de Guimarães + Paço do Duques de Bragança: 6€

Museu Alberto Sampaio: gratuito para turistas portugueses

Hotel Fundador: média de 60€/noite

 

SE FORES VIAJAR
Aproveita os descontos abaixo quando estiveres a organizar a tua viagem:

 

Cartão Revolut: Regista-te com esta ligação e recebe um Cartão Revolut gratuito e aproveita, entre outras vantagens, as incríveis taxas de câmbio no estrangeiro.

 

Seguros de Viagem IATI: Faz o teu seguro de viagem na IATIIati seguros através do blogue e aproveita os 5% de desconto nos diferentes seguros especializados para viajantes.

 

Deixe um comentário

Close
%d bloggers like this: